quinta-feira, 29 de maio de 2014

CANÇÃO IMORTAL

a morte é estúpida porque fez sofrer
a pessoa errada

a morte fez ela morrer
devagar

tão devagar

como se ela
não fosse mais nada

e não notou que ela só
se tornou mais
quanto mais o tempo passava

ela cada vez mais forte
mais digna e mais
pura

quanto mais sem piedade o vento
mais anda
e dura a duna

a morte é a única culpada
por sua estupidez

pois ela depois de morrer
passou a viver em todos nós

e nós podemos parecer pouco
mas somos muito
quando ficamos a sós

enquanto você é só uma

quanto mais queima o sol
mais doura
a duna

morte, em caso de dúvida
na próxima vez
leve todos nós

porque pode ser
que da próxima vez
você não tenha chance alguma

(poema para dona Anilce)

Fernando Koproski
do livro “Retrato do amor quando verão, outono e inverno” (7letras, 2014)

os livros também estão disponíveis na Livraria Arte e letra (Al. Presidente Taunay, 130, Batel, Curitiba, f. 3039-6895)

ou pela site da editora 7letras:
https://www.7letras.com.br/catalogsearch/result/?q=fernando+koproski

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Sempre odiei esperas telefônicas. E esse poema é um jeito de desvirtuar poeticamente (ou sacanear mesmo...) o propósito estupidamente objetivo delas...

boa-tarde
bem-vindo ao Retrato do amor quando verão, outono e inverno

se deseja informações sobre o verão, tecle 1
para orientações sobre o outono, tecle 2
para acessar o inverno, tecle 3

...

a opção escolhida é: OUTONO

se deseja lembrar de outonos passados, tecle 1
para esquecer completamente dos outonos passados
ou para solicitar a supressão dessa estação, tecle 2
para informações sobre a possibilidade de novos outonos, tecle 3
para reclamações sobre a aguardada beleza
ou a sublime impertinência dos ipês no fim dessa estação, tecle 4
para informações relativas à incômoda
queda de flores em seu caminho, tecle 5
como proceder em caso de felicidade melancólica, tecle 6
como proceder em caso de presenciar
a indigna queda livre da verdade
na inconformada juventude de um olhar, tecle 7
para informar danos irreversíveis relativos a esta estação, tecle 8
para confessar qualquer forma sensível
de suicídio justificável do amor nas manhãs nubladas, tecle 9
para voltar ao menu inicial, aguarde na linha

Fernando Koproski
do livro “Retrato do amor quando verão, outono e inverno” (7letras, 2014)


quinta-feira, 22 de maio de 2014

quarta-feira, 21 de maio de 2014

HITLER

Agora deixe que ele adormeça com a história,
o verdadeiro esqueleto fedendo a gasolina,
seus cúmplices Mutt-e-Jeff ao seu lado:
deixe-os adormecer entre nossas preciosas papoulas.

Os oficiais da SS despertam em nossas mentes
onde eles originaram antes que nós os fizéssemos
reféns naquele real campo vazio que povoamos
com as sombras que inquietam nossa paz interior.

fragmento do poema de Leonard Cohen
tradução: Fernando Koproski
este poema faz parte da antologia poética “ATRÁS DAS LINHAS INIMIGAS DE MEU AMOR” (7Letras)

à venda, pra todo o Brasil, pelo site das livrarias Curitiba:



sexta-feira, 16 de maio de 2014

ÚLTIMO BEIJO

se esse é o último beijo
prefiro não ter beijo nenhum
não nasci pra ser mais um
a ser derrotado pelo desejo

se você visse o que vejo
ouvisse meu sonho mais puro
você jamais falaria desse jeito
a lua não é um tiro no escuro

se é pedir demais um beijo
o amor que volte de onde veio
teu coração deixe pra depois

mas quando o amor chegar
eu é que não quero estar
no meio de vocês dois

Fernando Koproski
do livro “Retrato do artista quando primavera” (7letras, 2014)

quarta-feira, 14 de maio de 2014

CANÇÃO COM PRETENSÃO

quanta pretensão
tem meu coração
que já não se contenta
em ser só coração

quer impor seu ritmo
e andar na minha frente
o que será que esse
coração tem em mente?

acha que vou te seguir
por onde você for
só porque acha que só
você pode falar de amor?

quanta pretensão
tem meu coração
ao ver uma mulher
passear de solidão

acha que se me deixar
com o coração na boca
tudo que eu disser
será canção?

Fernando Koproski
do livro “Retrato do artista quando primavera” (7letras, 2014)

http://www.livrariascuritiba.com.br/retrato-do-artista-quando-primavera-aut-paranaense,product,LV341627,3393.aspx

http://www.livrariascuritiba.com.br/retrato-do-amor-quando-verao-outono-inverno-aut-paranaense,product,LV341626,3393.aspx
Há certos "escritores" e "poetas" que não se consideram simplesmente "escritores" ou "poetas". Pelo tamanho do ego que ostentam, mais parece que são semideuses andando pela Terra... Pensando nesses "equivocados da literatura" e em seu falso glamour, lembrei dessa frase do Bukowski que traduzi pro livro "Amor é tudo que nós dissemos que não era". Acho que ela fala por si só: "Escrevo porque é a minha função. Sem isso eu ficaria doente e morreria. Faz parte de uma pessoa assim como o fígado ou o intestino, e é tão glamouroso quanto."
http://www.livrariascuritiba.com.br/amor-e-tudo-que-nos-dissemos-que-nao-era-autores,product,LV314864,3406.aspx

http://www.livrariascuritiba.com.br/essa-loucura-roubada-que-nao-desejo-a-ninguem-autores,product,LV314866,3406.aspx

os livros também estão disponíveis na Livraria Arte e letra (Al. Presidente Taunay, 130, Batel, Curitiba)

ou pela site da editora 7letras:
https://www.7letras.com.br/catalogsearch/result/?q=fernando+koproski

segunda-feira, 12 de maio de 2014

SUICÍDIO AUTORAL

se você não me amar
não quero saber de blues
vou beber rivotril com vodka
e tomar lítio até apagar

só vou me alimentar de luz
faço greve de fome
fico escrevendo teu nome
até você começar a me amar

se depois disso tudo
você ainda não me amar
taco fogo no meu corpo
na frente de todo mundo

meu bem, vou te queimar
até que comecem a falar
até você começar a se culpar
por não me amar

se mesmo assim você não me amar,
juro que nunca mais
vou morrer sozinho
dessa vez te levo junto

e se ainda for pouco
dessa vez levo comigo
todo mundo pro além
você que me lê, também

mas se depois disso tudo
você ainda não me amar
olha só a culpa que você
vai, ah, você vai carregar

não seria mais fácil me amar
do que ver tanta gente sofrer?
se você não me amar, somos
no mínimo dois a se arruinar

agora se você me amar
esse poema pode até prescrever
quem disse que no amor
um só tem que sofrer?

Fernando Koproski
do livro “Retrato do amor quando verão, outono e inverno” (7letras, 2014)

os livros também estão disponíveis na Livraria Arte e letra (Al. Presidente Taunay, 130, Batel, Curitiba, f. 3039-6895)

ou pela site da editora 7letras:
https://www.7letras.com.br/catalogsearch/result/?q=fernando+koproski


sexta-feira, 9 de maio de 2014

Saiu no Jornal "Ô Catarina" #82 (Suplemento Cultural de Santa Catarina) a minha tradução completa do poema/canção "Hallelujah" do Leonard Cohen. "Aleluia" agora pode ser lida por vcs, em sua versão completa aqui (na pág. 15): 

http://www.fcc.sc.gov.br/ocatarina//arquivosSGC/DOWN_163143_catarina_82.pdf

Uma tradução minha do Bukowski saiu no Jornal Relevo desse mês. Pra quem quiser conferir, "A ducha" (the shower) está lá na pág. 28:

terça-feira, 6 de maio de 2014

UMA NOITE INCENDIEI

Uma noite incendiei a casa que amava,
Um anel perfeito que o fogo faz
Além das pedras e ervas daninhas
Que eu via – nada mais.

Algumas criaturas do ar
Com a noite assustadas,
De novo vieram o mundo olhar
E na luz acabaram queimadas.

fragmento do poema de Leonard Cohen
tradução: Fernando Koproski
este poema faz parte da antologia poética “ATRÁS DAS LINHAS INIMIGAS DE MEU AMOR” (7Letras)

à venda, pra todo o Brasil, pelo site das livrarias Curitiba:

http://www.livrariascuritiba.com.br/atras-das-linhas-inimigas-de-meu-amor-aut-parana,product,LV220048,3406.aspx